Buscas são retomadas pelo 5º dia em Brumadinho

Operação de resgate foi retomada às 6h desta terça-feira (29). Número de mortos subiu para 65, e 279 continuam desaparecidas

Lido 88 vezes

Foto: Reprodução/TV Globo
Foram retomadas na manhã desta terça-feira (29) as buscas por possíveis sobreviventes e corpos de vítimas do rompimento de uma barragem da Vale, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Até a noite de segunda-feira (29), havia 65 mortes confirmadas e 279 pessoas continuavam desaparecidas. Nenhuma vítima foi encontrada com vida no 4º dia de buscas, segundo o corpo de bombeiros.

Números da tragédia
65 mortos confirmados – 31 identificados (veja a lista)
279 desaparecidos (veja a lista)
192 resgatados (veja a lista)
386 localizados

As buscas neste 5º dia de trabalhos de resgate começaram pouco depois das 6h. Segundo o Corpo de Bombeiros, a operação desta terça-feira deve priorizar a área do que pode ser o refeitório onde almoçavam funcionários da Vale no momento da tragédia.

Com a lama cada vez mais sedimentada e menos fofa, as buscas ficam mais arriscadas. Para evitar que o corpo afunde, os bombeiros precisam rastejar. 
Veja as estratégias da equipe de resgate.

Algumas dessas estratégias são:
Sobrevoo
Leitura de calor e imagem de satélite
Buscas manuais na lama
Sinal de celular
Apitos
Cães farejadores
Sonares

As estratégias variam de acordo com o tempo decorrido desde o vazamento. Aos poucos, a lama fica mais sedimentada – ou seja, menos fofa. Por isso, as equipes precisam tomar cuidados para não colocar em risco os possíveis sobreviventes nem os próprios bombeiros.

"É um trabalho de formiguinha, são áreas gigantescas", diz o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Os socorristas usam cajados para perfurar a lama em busca de corpos, sobreviventes ou veículos que possam estar soterrados. O trabalho é cansativo. Como a lama está fofa, os pés afundam. Alguns estão usando roupas de mergulho.

A barragem de rejeitos, que ficava na mina do Córrego do Feijão, se rompeu na sexta-feira (25). A lama varreu a comunidade local e parte do centro administrativo da empresa. Entre as vítimas, estão moradores e funcionários da Vale.

As buscas estão sendo feitas por 120 bombeiros de Minas Gerais e 160 enviados de São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Espírito Santo e Goiás. Há outros 33 integrantes da Força Aérea Brasileira e 60 do Exército. Helicópteros são utilizados para resgatar os corpos.

A tropa da ajuda oferecida por Israel se concentrou no vale de lama perto do local em que a barragem estourou. Um dos equipamentos israelenses é capaz de encontrar pessoas com vida a 30 metros de profundidade. Apesar de a lama dificultar a sobrevivência, os bombeiros não descartam a possibilidade encontrar pessoas com vida.

Compartilhe
- Parceiros/Conveniados -


Comente