Internet: Todo cuidado é pouco!

"As tragédias acontecem porque subestimamos os riscos"

Lido 15793 vezes

Imagem: Divulgação
Não teriamos papel suficiente para enumerar o que poderia acontecer em razão de certas atitudes, mas temos a realidade todos os dias para nos alertar sobre como podemos agir para garantir pelo menos uma sensação melhor quanto a nossa segurança.
Vou descrever aqui um fato que muito me chamou atenção, e para dar bom exemplo, desde já vou fazer a lição de casa tomando as seguintes precauções quanto a nomes , locais e pessoas que vou citar no texto, todos por questão de segurança são fictícios.

Vamos aos fatos:

Olá Millena, tudo bem?
Tudo, faz tempo que você está aí?
Não, mas isso não importa você vai à escola hoje?
Vou, inclusive hoje vou colocar o tênis novo que meu pai comprou como presente de aniversário.
E a mamãe, o que ela vai te dar de presente?
Uma boneca, ela não sabe que eu sei, e sábado ela vai trazer para me dar na festa que vamos fazer.
Puxa! Que legal, pena que moro aqui no Paraná, senão com certeza aceitaria o convite para ir a festa e levar o seu presente.
Ah, não se preocupe, no ano que vem você pode vir.
Verdade? Quer dizer que já estou convidado?
Sim.
Mas você tem que me prometer uma coisa?
O que?
Não esquecer de me passar seu novo endereço caso você mude, até lá já seremos bastante amigos, promete?
Certo, mas você já é meu amiguinho.
Eu sei, mas seremos mais amigos ainda.
Está bem.
O tênis que seu pai te deu é bonito, onde ele comprou?
É lindo, ele comprou na loja do pai do Nícolas, no Shopping da cidade.
Hum, então o Nícolas é um cara legal, não é? 
Sim, sempre vamos assistir às partidas de vôlei juntos lá no ginasio de esportes central.
Ok, outra hora quando nos tornarmos mais amigos ainda, vou pedir para o Nícolas me adicionar, o que você acha?
Vai ser ótimo, mas eu posso falar para ele que você é meu amigo.
Eu sei, mas vamos aguardar, afinal não quero que você fale isso só para me agradar.
Mesmo porque quero que você confie em mim como amigo. Adicionar alguém que não conhecemos é perigoso. Combinado?
É, meu pai e minha mãe sempre falam isso. Eu digo que só tenho amiguinhos adicionados.
Isso mesmo e continue assim.
Eu sei. Bem agora vou ter que desligar, vou tomar banho, almoçar e depois vou para a escola.
Hoje você sai mais cedo, não sai?
Sim, hoje é 4ª - feira. Tchau, quando eu voltar a gente se fala.
Tchau.
Hoje éra o grande dia, Renatinho_234 iria finalmente à casa de Millena, já estava com todas informações que precisava para encontrá-la e dar cabo de sua missão.
Aproveitou o tempo que ainda lhe restava para concluir algumas pendências, depois descansou um pouco. Tomou banho e trocou de roupa, calçou seu tênis e saiu com sua Moto vermelha que chamava muita atenção.
Eram 16h, estava na hora.
Foi até a escola de Millena e aguardou. Ela saiu pontualmente às 16h:45min,como dissera.
Fez a travessia do cruzamento no semáforo entrou à esquerda, seguiu em direção à praça do juá e já do outro lado entrou a direita.
Passou pelo parque infantil público, sempre olhando para todos os lados, éra cronologicamente pontual.
Depois parou em outro cruzamento sem sinalização e atravessou, eram 17h:10min quando entrou no portão de sua casa. O caramanchão que descrevera dias atrás éra nos menores detalhes axatamente conforme a descrição.
Renatinho_234 aguardou pacientemente, depois ligou Laptop e não demorou, ela chamou: Renatinho_234, você está ai?
Sim.
Tudo bem?
Tudo, já, já eu te chamo preciso resolver um problema, ok?
Está bem, tchau.
Renatinho_234 foi até a porta da casa, apertou a campainha e foi atendido pelos pais de Millena, conversaram por algum tempo e foi convidado a entrar.
Após 20 minutos o senhor Rodrigo, pai de Millena foi chamá-la e disse tem um amigo seu na sala chamado Renatinho_234 e quer fala com você.
Renatinho_234? Impossível, ele está no Paraná, estava conversando com ele agora a pouco!
Entrando na sala, Millena viu um homem pouco mais velho que seu pai.
Olá Millena, como vai? Finalmente você me conheceu.
Quem é você?
Seu amigo Renatinho_234, desculpe por ter mentido para você, meu nome é Lourenço Rogério, moro aqui bem próximo à sua casa. Sou policial e faço parte da Policia Virtual.

Vou contar-lhe uma pequena história:

Uma menina muito parecida com você e que tinha muitos amigos na internet, certa vez ao sair para um passeio, sem saber foi ao encontro da própia morte. Um de seus supostos "amigos" da internet éra na realidade um assassino frio e calculista. Ela ao longo de muitas conversas e sem ter conciência, revelou informações íntimas, confidenciais e sigilosas a seu respeito, de sua família e amigos.
O nome dela éra Julia, carinhosamente chamada por "Juju" ela éra minha filha, minha única filhinha.
O meu trabalho é alertar jovens como você. Ensinar que na internet todo cuidado é pouco.

Naquela noite, Millena e seus pais ajoelharam-se e agradeceram a DEUS por tê-los protegido e ensinado a se protegerem. 

 

 

Compartilhe

Comente